maio 12, 2005

Folhas de Amendoeira no Aquário (Atualizado)

Terminalia catappa, o nome é estranho? certamente a planta não é desconhecida sua, clique na foto ao lado e confira.

Esta planta é conhecida no Brasil por vários nomes comuns, de acordo com a região ela pode ser chamada de Castanheira, Castanheira Portuguesa, Castanha da ìndia, Castanhola, Sete Copas, Sombreiro, Chapéu de Sol e possivelmente outros nomes. Ela foi introduzida no Brasil pelos Portugueses, suas sementes foram trazidas da Índia na areia de lastro dos navios mercantes, no período de colonização do nosso país, a areia era jogada nas praias para dar lugar as mercadorias, junto com elas as sementes de Castanheira, que por ser extremamente resistente ao sal germinou, floresceu e adaptou-se perfeitamente ao clima do nosso país de norte a sul, e hoje, se ninguém falar nada, muita gente vai continua achando que a Castanheira é uma espécie nativa, mas não, é uma planta exótica. No exterior o nome mais comum é Indian Almond, e daí as famosas indian almond leafs (folhas de amêndoa das índias) mas não é difícil ver a planta sendo chamada de folhas milagrosas ou folhas mágicas.

Mas o que tem essa planta de especial para estar sendo comentada em um blog que basicamente trata de aquários?

Esta planta é até hoje em dia alvo de diversas pesquisas farmacêuticas, um dos metabólitos presente em suas folhas já foi identificado como bactericida e fungicida, entre outras possíveis aplicações médicas, inclusive contra o câncer. Ela é usada na medicina popular da Ásia há séculos e além disso é usada como tônico e coadjuvante no tratamento de peixes ornamentais em aquicultura intensiva em toda a Ásia, este segredo foi guardado por muito tempo pelos orientais, porém com o advento da internet essa informação finalmente tornou-se acessível, embora pessoas mais informadas já tenham ciência do uso destas folhas no oriente, aqui no Brasil ainda não se tem conhecimento, pelo menos não foram divulgados, da aplicação prática no manejo de peixes ornamentais ou de aquicultura intensiva.

Quem conhece um pouco do manejo na criação de peixes na Ásia sabe que qualquer brasileiro se assustaria com a quantidade de peixes que são mantidos em tanques e viveiros, uma quantidade muito superior a qualquer média comumente conhecida e estabelecida como viável entre nós. Ficamos imaginando que seria esperado um grande número de mortes e de problemas relacionados ao excesso de população em uma criação tão intensiva... mas não é o que ocorre, os asiáticos sempre assombraram os ocidentais com o volume de produção. Um dos segredos é a qualidade da água, e é exatamente ai que a folha da Terminalia catappa entra. Na criação de peixes de corte, de tilápias por exemplo, a T. catappa é uma alternativa reconhecida ao uso de antibióticos. O extrato das folhas de T. catappa também já foi testado com sucesso no controle de pragas do camarão (Watchariya P, Surapon W. Nontawit A. 2004), tem eficiência na regeneração das nadadeiras afetadas por bactérias (Guppys e Carpas) e comprovada ação antibacteriana na cultura in vivo de Betta splenders (Chansue, & Assawawongkasem, 2008). Em muitos estudos são usados extratos em várias concentrações de folhas verdes e secas, vamos nos concentrar no uso de folhas secas in natura, adequadas ao uso do aquarista comum.

Entre as qualidades que hoje podem ser encontradas testemunhadas em sites e fóruns das mais variadas nacionalidades estão:
  • Estimulante da reprodução;
  • Alto poder antifúngico;
  • Alto poder antibactericida;
  • Alto poder antiparasiticida;
  • Intensificação das cores dos peixes;
  • Melhoraria da saúde geral dos peixes;
  • Baixa o PH;
  • Simular condições de águas escuras (Black Water).
Cabe aqui salientar que, a despeito do fato das propriedades antifúngica e antibacteriana serem as mais celebradas, a ação da T. catappa vai muito além. Os estudos comprovam que os fitoquímicos presentes em sua folhas (Saponina, Quinona, Fenóis, Flavonoides e Tanino) agem em sinergia proporcionando mais saúde aos organismos aquáticos, por elevar a capacidade imunológica e ter ação antioxidante, além de proporcionar um ambiente mais saudável por suas características sanitizantes. O conjunto destas ações culminam em peixes mais fortes e, portanto, mais saudáveis e resistentes a ação de patógenos comuns no ambiente aquático. 

As folhas secas da T. catappa são tradicionalmente utilizadas por criadores asiáticos de Bettas, Discos e demais peixes principalmente de água ácida, no entanto, é fácil encontrar referência de uso com diversas outras espécies como, por exemplo, Rásboras e Carpas. Estas folhas hoje tem um forte comercio internacional sendo muito apreciadas por criadores europeus de Killifishes e Discos (principalmente Alemanha e Grã Bretanha), atualmente há um comércio em expansão entre os hobistas americanos, que as tem adiquirido pela internet. Um saquinho contendo cerca de 10 folhas custam a bagatela de U$ 7,50 nos EUA.

Com tantas qualidades e tantas referências positivas fico imaginando por que o Brasil que tem essa planta de norte a sul não há referências do seu uso ou experimentação... certamente espera-se que um grande site americano anuncie a venda para então a febre chegar até aqui.

Por que não tentar?

Se você ficou curioso acho que é totalmente válida uma experimentação, para os criadores de Betta já acostumados a usar a folha de bananeira no tratamento de algumas infecções, tem ai uma excelente oportunidade para experimentar mais esta opção.

Para usar as folhas recomenda-se colhe-las ainda verdes e seca-las à sombra, isso evita que juntamente das folhas secas coletadas no chão sejam introduzidos no aquário agentes contaminantes que aproveitam a morte da folha para se instalar, obviamente o poder de defesa da folha é muito maior quando ela ainda está viçosa e saudável em seu galho. Após a coleta as folhas devem ser lavadas e dispostas para secagem, após a secagem basta dispo-las em local de grande circulação de água, neste caso os filtros. Vale lembrar que a folha, como mencionado acima, tigirá a água de uma coloração amarelada cor de chá, então se você não aprecia a coloração esteja avisado.

Efeitos esperados

Espera-se que os peixes reajam exibindo todo seu vigor físico, tenham baixa suscetibilidade a infecções e tenham suas cores intensificadas e, por consequência, as taxas reprodutivas também sejam elevadas, estes são efeitos gerais associados ao uso das folhas. Na reprodução é esperada diminuição e até ausência de ovos fungados (ovos brancos) bem como um aumento no número de alevinos sobreviventes aos primeiros dias pela significante melhora ambiental proporcionada pela ação das folhas.

Modo de Uso

As folhas são usadas secas dentro do compartimento de filtragem, local de grande circulação de água na proporção de 1 folha para cada 15 galões, o que em litros dá 1 folha para cada 56L mais ou menos.

Cada folha pode tratar até 56L (10G) de água. Coloque a folha inteira ou em pedaços grandes no seu aquário ou qualquer recipiente com água e a deixe lá por pelo menos 5 dias e até 10 dias para obter os melhores resultados, troque as folhas após este período. A água irá gradualmente tornar-se cor de chá, característica que evidencia a liberação de taninos e outras substâncias, nos dias subsequentes, primeiro uma cor suave intensificando-se com o decorrer da aplicação. Se você tem um recipiente com menos de 56L pode-se aplicar as folhas em separado e ir diluindo a solução no recipiente que se quer tratar, mas pode-se ainda diminuir a proporção das folhas em relação ao conteúdo do recipiente. As folhas devem ser removidas após 10 dias de uso visto que todas as suas propriedades benéficas como o já foram liberadas no tanque e as mesmas já iniciaram o processo natural de decomposição.

Um alerta: A adição de quantidade muito grande de folhas de T. catappa causará uma queda brusca de pH que poderá gerar fatalidades entre os animais aquáticos.

Para pequenos recipientes, como betteiras de criação, pode-se usar um recorte da folha de uns 3.5 a 7cm2 adicionado diretamente ao recipiente e deixando-a lá por pelo menos 3 dias ou até 5, para melhores resultados. Apesar do tratamento da água com as folhas da T. catappa diminuírem a necessidade de trocas desses recipientes de várias em uma semana para uma por semana, mesmo assim não deve-se deixar de fazer trocas.

Ficou curioso e vai tentar?
Ótimo, observe o modo de preparação e uso citados acima e não deixe compartilhar os resultados.

Referências:

  • Commun Agric Appl Biol Sci. 2012;77(4):439-48. Potential application of extracts from Indian almond (Terminalia catappa Linn.) leaves in Siamese fighting fish (Betta splendens Regan) culture.
  • THE EFFECTS OF Terminalia catappa LEAVES EXTRACT ON THE HAEMATOLOGICAL PROFILE OF ORNAMENTAL FISH Betta splendens. Rudy Agung Nugroho, Dewi Saraswati, World Aquaculture 2015; May 29, 2015; Jeju-South Korea
  • The effects of tropical almond Terminalia catappa L., leaf extract on breeding activity of Siamese Gourami, Trichogaster pectoralis Lee SW, Farhan R, Wendy Wee, Wan Zahari M and Ibrahim CO; International Journal of Fisheries and Aquatic Studies 2016; 4(4): 431-433
  • Differential responses of Vibrio sp. to young and mature leaves extracts of Terminalia catappa L. Nadirah, M., Wee, T. L. and Najiah, M. Department of Fisheries Science, Department of Aquaculture Science, Faculty of Fisheries and Aqua-Industry, Universiti Malaysia Terengganu, 21030 Terengganu, Malaysia
  • Folha de amendoeira (Terminalia catappa) como aditivo promotor de crescimento em rações para alevinos de Tilápia do Nilo (Oreochromis niloticus) Elton Lima Santos, Ana Paula Lira Souza, Edvânia da Conceição Pontes, Lucas da Silva Gonzaga, Ana Janaina dos Santos Ferreira. Agropecuária Técnica (2015) Volume 36 (1): 190-196 Versão Online ISSN 0100-7467 http://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/at/index
  • Antiparasitic, Antibacterial, and Antifungal Activities Derived from a Terminalia catappa Solution against Some Tilapia (Oreochromis niloticus) Pathogens C. Chitmanat, K. Tongdonmuan, P. Khanom, P. Pachontis and W. Nunsong Department of Fisheries Technology College of Agricultural Production Maejo Un
  • Effect of Indian almond, Terminalia catappa leaves water extract on the survival rate and growth performance of black tiger shrimp, Penaeus monodon post larvae Mhd Ikhwanuddin, Julia H. Z. Moh, Manan Hidayah, Abu B. Noor-Hidayati, Nur M. A. Aina-Lyana, Abu S. Nor Juneta AACL Bioflux, 2014, Volume 7, Issue 2. http://www.bioflux.com.ro/aacl

18 Comentários:

Anônimo disse...

Excelente artigo, fiquei realmente interessado nessa técnica. Tudo pela saúde de nossos amados discos!
Na minha próxima ida ao litoral vou trazer o porta-malas carregado de folhas de chapéu-de-sol!!
Parabéns mais uma vez!
Abração,

Luca Galarraga

Gecemar Cordeiro Jr. disse...

Fantástico trabalho de pesquisa!
Estamos tão acostumados com a luxuriante diversidade de nosso país e somos tão bombardeados pela cultura de que "o que vem de fora é que é bom" que esquecemos de procurar as soluções em nosso quintal, literalmente.

Anônimo disse...

Show de bola, parabéns a todos da equipe sem duvidas uma excelente matéria.

Anônimo disse...

Parabéns pelo artigo!

Só ficou a dúvida da peridiocidade da troca das folhas. Você saberia informar?

Sds,

Leonel

Anônimo disse...

Grande Alex!
Mandou muito bem, novamente.
Lembro que você postou um link sobre essa folha na Aquariomagia e até tentei utilizar, mas não tive tempo.... :(
Dessa vez eu experimento!

O Fo.. vai ser alguns falando : " Porra, demorei uns 4 meses limpando o tronco pra evitar o Tanino e com essa folha a água ficou amarela!..."
Se prepara... hehee

Abraços,

Miguel - SP

Xylema disse...

Olá Pessoal,

Pois é Miguel, é um dos efeitos da folha realmente a tintura cor de chá da água, mas frente aos benefícios que ela pode oferecer isso nem pesa tanto, claro que um tanque de exposição precisa ser avaliada a decisão de usar as folhas no mesmo, creio que seja mais aplicado a tanques de cultivo ou a tanques onde o efeito blackwater seja coerente com o o layout, como biotopos amazônicos ou asiáticos por exemplo.

Anônimo disse...

Utilizei as folhas de sete copas para tratar fungos de um armau (Pterodoras granulosus), coincidentemente ou não, em 1 dia os fungos foram embora (fiz chá com as folhas secas, e fui jogando a agua escura).

Márcio disse...

Parabéns pela matéria. Porém tive uma dúvida: devo coletar as folhas, lavá-las e deixá-las para secar. Este secar é que me deixa em dúvida: deixo as folhas "amarelarem" e depois coloco no filtro ??

Anônimo disse...

Wand disse:
Gostaria de saber, o periodo em que deve medear entre uma aplicacao e outra.

Grato pela atencao for dispensada.

Leandro D. Soares disse...

Amigo,

Solicito a sua permissão para replicar esses conteúdo em meu blog com link para este site.

Xylema disse...

Tem minha permissão, Leandro.

Mas uma dica: O melhor seria vc citar o conteúdo apenas, copiar o texto inteiro faz com que o seu blog perca posições na classificação de resultados do google. Você decide.

Anônimo disse...

Muito bom este artigo, execelete mesmo. Vc me ajudou a esclarecer uma dúvida com relação as folhas verdes. Na verdade, nunca gostei de recolher folhas mortas no chão, já secas, sujas... prefiro recolhe-las do tronco, ainda verdes, para lava-las e secar ao sol durante sete dias.

Anônimo disse...

Gostaria de saber os efeitos deste chá nos humanos. Obrigado!

Alex Ribeiro disse...

Desculpe, mas só tenho informações para uso externo em animais.

Anônimo disse...

Eu uso essa folha fazendo chá para infecções urinária,é um santo remédio.

Anônimo disse...

O chá dessa planta faz mau a saúde?

Alex Ribeiro disse...

Recomendo consultar um médico.

Unknown disse...

Tudo que eu precisava saber sobre essa planta,e acho que exagerei na quantidade no meu aquário,devo ter colocado umas 3 folhas p 40 litros😁

Postar um comentário

Obrigado por comentar!
Todos os comentários serão lidos e só então aprovados para publicação, ou não.

Related Posts with Thumbnails