agosto 31, 2011

Aqua Journal Online #2


A segunda edição online da revista Aqua Journal está disponível para seus assinantes. A assinatura anual custa $ 36,00 e há opção de comprar números individuais. 
Nesta edição:

  • My first Aquatic Plant Layout
  • Travel across Japan: Vol. 27 Sado Island
  • Vida Cafe: Amano, An Emerging Icon
  • Nature Aquarium Notes
  • Nature Aquarium Q&A


agosto 14, 2011

Echinodorus renomeadas

Por mais que a gente tente as vezes é difícil acompanhar as atualizações de nomenclatura de plantas e animais, as mudanças hoje em dia são tão rápidas que escapam facilmente da nossa atenção, não a toa me surpreendi hoje ao perceber em um vídeo que umas Echinodorus fora reclassificada e por isso agrupadas em um novo gênero das Alismataceas, temos agora o gênero Helanthium com as seguintes espécies:
  • Echinodorus bolivianus > Helanthium bolivianum 
  • Echinodorus tenellus > Helanthium tenellum 
  • Echinodorus zombiensis > Helanthium zombiense
O grifo é meu só para chamar atenção para sutileza da renomeação.

H. tenellum (E. tenellus)
Os nomes antigos tornaram-se inválidos? Não, mas eles perderam o status, agora são apenas sinônimos, portanto a referência correta para quem precisar referenciar as espécies deve ser o novo gênero Helanthium.  Uma das plantas aquáticas mais populares hoje em dia mudou de nome desde 2007, a Echinodorus tenellus agora atende pela alcunha de Helanthium tenellum, anote ai no seu caderninho.

Certamente ainda teremos muitas novidades no futuro, com o avanço dos estudos genéticos mais e mais espécies são reclassificadas todos os anos, trocando de gênero ou até criando novos gêneros. Por exemplo, a Echinodorus nymphaepholia (desculpe, não achei foto e nunca nem tinha ouvido falar nela) foi reclassificada pelo mesmo estudo e agora compõe um novo gênero monotípico (única espécie) chamando-se Albidella nymphaeifolia.

Referências:
The Planted Tank: Runner-growing swords renamed!
Cladistic analysis of Echinodorus (Alismataceae): simultaneous analysis of molecular and morphological data.
Kew Royal Botanic Garden: The Plant List: The genus Helanthium is in the family Alismataceae in the major group Angiosperms (Flowering plants).

agosto 13, 2011

ADA Tourmaline BC


Há cerca de cinco anos ou mais era comum ouvir alguém falar que produtos como o ADA Bacter 100 eram dinheiro jogado fora, ninguém em sua sã consciência, naquela época, ousava acreditar que um pool de bactérias pudesse promover qualquer benefício para o aquário. Os tempos mudaram, a informação hoje é mais acessível, os produtos foram testados e retestados, cientificamente comprovados e hoje temos uma grande variedade de "aceleradores biológicos" que de uma forma ou de outra cumprem exatamente a mesma função: promover o florescimento da flora bacteriana no aquário já desde o seu início, seja no sistema de filtragem, seja no substrato, as bactérias são o coração do aquário moderno, e do "ADA System"  em toda sua glória.

Abracadabra!
O produto da vez a levantar polêmicas e pressentimentos ruins é o tão falado Tourmaline BC, um composto de carvão ativado e turmalina em pó para adição na camada inferior do substrato durante a montagem do mesmo.  Há um ar de incredulidade em torno deste produto, e é muito compreensível, afinal já vi dezenas de produtos sendo vendidos como panaceia do aquarismo moderno, o que sabemos que não existe. Não é este o caso do Tourmaline BC, o produto nunca foi anunciado desta forma, mas a sua ação e funcionalidade são questionadas em qualquer bom fórum internet a fora.

Sinceramente, confesso que faço parte do time que ainda não se convenceu completamente e já pesquisei muito, muito sobre o assunto. Há um grande problema em fazer uma simples pesquisa sobre isso e acho que vem dai toda essa celeuma sobre o Tourmaline BC. Vamos aos esclarecimentos.

Um grupo japonês publicou um artigo que alega uma coisa bem "interessante", segundo eles a turmalina teria um efeito positivo sobre os nosso leucócitos sangue e o meio de ação seria pela emissão de um tipo de radiação muito "incomum", radiação far-infrared, que é emitida por TODOS os corpos cuja temperatura está acima do zero absoluto. Oi? Preciso explicar por que o artigo caiu em descrédito? Enfim, isso deve ter sido o bastante para que apenas MAIS UM método milagroso de purificação, energização, bioativação, incluaaquioseunomemísticopreferido, etc. se tornasse a mais nova modinha. Resultado? Milhares de páginas vendendo produtos para filtragem cuja principal característica principal se dá pelos efeitos miraculosos da turmalina em suas mídias filtrante. Acredite, essas coisas vendem como água gelada em dia quente. Sabendo do acontecido acima você entende por que ao pesquisar sobre turmalina a quantidade absurda de páginas que beiram o misticismo aparecem. Não é a toa que as pessoas simplesmente relutam em aceitar esse produto, junte-se a isso o fato de que a ADA não divulga tantas informações sobres seus aditivos, como já comentamos acima.

Mas aqui eu gostaria de abrir um parênteses, eu me recuso a acreditar que a ADA esteja vendendo um produto inócuo (pó de pôneis malditos?), por mais que isso possa parece sensato na cabeça da grande maioria das pessoas que acaloradamente discutem sobre o assunto. A ADA vive do seu marketing e sem tem uma coisa que eles fazem bem, além de aquários, é marketing. Enquanto metade das empresas se apoia na velha mídia e vive de panfletos a ADA adotou uma estratégia agressiva de marketing, que não só promovem como ensinam e incentivam seus clientes a experimentar eles mesmos, apesar de que nem sempre temos todas as informações que gostaríamos, como no caso do Tourmaline BC. Vocês alguma vez acharam que a ADA Gallery é apenas uma diversão para os funcionários da ADA que a mantém? Não mesmo.

Estes dias eu estava mais uma vez pesquisando sobre o assunto quando me deparei com uma sugestão do Google para pesquisar em artigos acadêmicos. Putz, por que eu não pensei nisso?! E lá estava um resultado promissor no primeiro link!!! Agora vamos aos fatos.

Oi, eu sou uma Nitrobactéria!
O título do artigo é "Effects of Tourmaline on Growth in Nitrifying Bacteria and Formation and Maturation of Biofilm" e no seu resumo podemos ler o seguinte: "The results showed that the medium supplemented with tourmaline greatly promoted the growth of the nitrite bacteria and nitrobacteria.The NH4+-N removal rate of the bioflim on the FCM surface became stable after 14 days of start-up and the NO3—N concentration gradually increased after 12,7,6 days earlier than CM.The results indicated that the performances of FCM were better in terms of the nitrifying bacterium growth and their nitrification.". Aparentemente a turmalina tem sim um efeito que não é desprezível, mas está longe de ser um aditivo milagroso como muitos sites propagam abertamente. A sua ação ainda não está clara, não sabemos como é exercido este efeito benéfico para bactérias, mas sua ação é mensurável pelo pouco que podemos ver, é efetiva na aceleração do crescimento das bactérias que, estas sim, farão o seu trabalho de sempre, a diferença então seria apenas no tempo que levaria para estas bactérias trabalharem a todo vapor. Nada de mágica, nada de misticismo. Isso se chama ciência. Considerando essa pesquisa faz todo o sentido a ADA ter esse aditivo, as bactérias são a alma do seu sistema.

Mais um ponto para o Amano? Não sei ainda, mas parece que o Amano acertou mais uma vez. Não é por acaso que eles promovem sua linha substrato dizendo: A well-balanced environment sustainable for a long-period starts from building a living substrate.
Atualização:
No dia 12 de agosto de 2011 a ADA liberou um folheto em inglês promovendo seu sistema de substrato e, entre outras coisas, uma dos produtos mencionados foi justamente o Tourmaline BC, na página 5 do arquivo o produto tem a seguinte descrição: A combinação dos efeitos da turmalina com o carvão de bamboo promovem o crescimento das raízes e o desenvolvimento de bactérias no substrato. Combined effects of tourmaline and bamboo charcoal promote the root growth and development of substrate bacteria. O arquivo Substrate System em PDF pode ser visto aqui.

Referências:

agosto 12, 2011

Folhetos da ADA - Substratos


Notadamente a ADA tem dado uma grande abertura do seus negócios para o mundo ocidental, e como era de se esperar a ADA portou mais uma das suas publicações para o idioma inglês, desta vez são os folhetos informativos que ganharam tradução para o idioma de Shakespear. Abaixo você confere o primeiro folheto da série, pode ver no site oficial aqui ou baixa-lo aqui em PDF.

Para quem se queixava da dificuldade de conseguir material esta é uma ótima notícia.

agosto 10, 2011

Youtube Channel: Aqua Design Amano


Acabei de descobrir que a ADA tem um canal oficial no Youtube. Os vídeos abaixo mostram a criação e manutenção de um aquário usando a técnica Wabi Kusa são a mais recente adição do canal, acabaram de ser atualizados na página de uma artigo da ADA sobre montagem de layouts com Wabi Kusa, em Japonês, mas já há outros vídeos publicados, confira o Canal AquaDesignAmano.

Atualização: Pelo que entendi os vídeos abaixo fazem parte de uma ação promocional da ADA no Japão de dois kits promocionais para montagem do seu primeiro nano com Wabi Kusa. Há inclusive um PDF com a descrição dos itens e um cupom. A promoção vai de 11/08 a 30/09. 



A ADA está surpreendendo e a cada dia tornando seu conteúdo mais acessível.

agosto 06, 2011

Iluminação de Aquários Plantados

Este artigo se aplica a utilização de lâmpadas convencionais.

Utilizando a Regra de Lúmens por Litro

Para entender este artigo é necessário saber o que são Watt, Lúmens, Fluxo Luminoso, IRC e Espectro Luminoso, leia este artigo antes: IRC, Fluxo Luminoso, Temperatura de Cor e Espectro Luminoso

Minha intenção aqui não é escrever um tratado sobre iluminação, existem centenas na internet, leia-os, outro detalhe importante é que estou escrevendo tendo em mente um aquário BEM plantado, para aquário com apenas um ramo de cabomba ou valisneria no canto a dinâmica é outra e está fora do foco deste artigo. Dito isto quero fazer três observações que podem simplificar um pouco as coisas:
  1. Esqueça a regra de Watt / Litros definitivamente*;
  2. Use Lúmens/Litro [Lm/L] para saber qual a necessidade de luz para o aquário e Lumen/Watt [Lm/W] para saber quais lâmpadas são mais eficientes;
  3. Entenda o que é IRC, Fluxo Luminoso, Temperatura de Cor e Espectro Luminoso pelo menos!

Tudo o que a maioria das pessoas precisa ter em mente é que um aquário plantado necessita, para manter a maiorias das plantas saudáveis, até as mais exigentes, de uma iluminação em torno de 60 Lm/L (Lúmens por litro), mais que isso para ter plantas muito exigentes e com cores vermelhas/laranja/acobreadas fortes e sólidas. Por experiência, podemos classificar a iluminação da seguinte forma:

Iluminação Fraca <= 30 Lm/L
Iluminação Moderada >= 60 Lm/L
Iluminação Forte > 90 Lm/L

Spectrum, Yeaaaah! \m/_
Para saber qual lâmpada escolher você precisa ter sempre esse parâmetro em mente e escolher as lâmpadas que podem oferecer esse fluxo de aproximadamente 60Lm/L para o volume do seu aquário.

As boas marcas trazem em suas embalagens a quantidade de Lúmens que a lâmpada emite, somando a quantidade de Lúmens de todas as lâmpadas e dividindo pelo volume do seu aquário você terá uma medida aproximada de quanto de luz elas vão fornecer em Lúmens.

Então qualquer lâmpada que emita uma quantidade grande de Lúmens será ótima para o meu aquário? Não. Por que nem só de Lúmens se faz uma boa iluminação, pense por exemplo numa lâmpada HQI, ela tem um alto rendimento em Lúmens, porém o espectro luminoso é restrito e assim as plantas que normalmente apresentariam colorações vermelhas tendem a permanecer verdes.

O Espectro Luminoso, grosso modo, é a representação gráfica dos picos que compõem a luz. Lembra daquela aula de ciências onde falavam que um velhinho¹ pegou um prisma e descobriu que ao passar um raio de luz por ele aparecia um arco-íris? Porque o raio de luz branca original na verdade é composto por todos aquelas cores que aparecem separadas após o mesmo raio sair do prisma?

Então, o que acontece é que nossas queridas plantas usam muito algumas dessas faixas coloridas [vermelho/azul] em vários processos fisiológicos, entre eles a fotossíntese. Usam um pouco de outras faixas e quase nada ou nada de algumas outras faixas de cor. Como a faixa do verde que é refletida pela clorofila a maioria das plantas é verde.

Você precisa garantir que essa demanda de picos/faixas de cor do espectro seja atendida, então é essencial garantir um espectro amplo, ou seja, você precisa ter no seu aquário as várias faixas necessárias do espectro luminoso, e isso pode ser conseguido usando lâmpadas com amplo espectro ou misturando lâmpadas que se complementem.

Ao ler sobre Temperatura de Cor você vai saber qual a relação com o Espectro luminoso e vai entender por que a luz branca em geral é a mais adequada para o aquário plantado. Afinal a  luz branca contém todo o espectro! 

Práxis! 
Vamos unir a teoria à prática

Vamos imaginar que você, meu querido leitor, tenha um aquário de 80 litros (60 x 45 x 30 cm) e quer ele bem plantado, com aquelas plantinhas que você economizou um bocado para comprar e não quer perder. Levando em consideração a regra de Lm/L multiplique 80 litros por 60 Lúmens/L para ter uma iluminação razoável, a tabelinha está no começo do artigo, você chega ao número mágico de 4800 Lm totais que serão o necessário para esse volume de aquário, ou seja, você vai precisar usar quantas lâmpadas forem necessárias para fornecer 4800 Lúmens.

Observe a tabela abaixo:

Extraído do catálogo online da Osram

Nesta tabela da Osram estão listadas as lâmpadas tubulares T5 HO (High Output) com seus tamanhos, potências, fluxo luminoso, índice de reprodução de cor (IRC), temperatura de cor, etc. Se você leu o artigo indicado no começo deste então sabe que as lâmpadas com IRC mais próximos de 100 são as que reproduzem as cores mais naturais, no caso todas as lâmpadas tem IRC de 80 a 89 o que garante cores naturais com essa luz**, no mesmo artigo você leu que lâmpadas com 6500K tem a luz branca e um espectro luminoso que tende a ser bem distribuído por todas as faixas do espectro, garantindo não só os picos obrigatórios para a fotossíntese como também outros necessários para demais funções da fisiologia vegetal.

Sabendo disso tudo só nos resta escolher qual delas usar e, levando em conta o tamanho do aquário, fica óbvio que teremos que usa um dos três modelos de 549mm [54,9cm] de comprimento, afinal ela precisa caber "dentro" do tanque, entre elas apenas uma tem 6500K, luz branca.

A tabela indica que a lâmpada FQ 24W/885 HO tem 24W e 1600Lm, ao dividir 1600Lm por 24W você constatará que ela emite 66,66 Lm/W o que é um rendimento razoável para esta categoria de lâmpadas.

Agora vamos fazer umas contas: Se meu aquário tem 80 litros e eu quero oferecer pelo menos 60 Lumens por litro eu vou precisar de 60 [Lm] x 80 [Litros] = 4800 Lúmens totais. A nossa lâmpada emite 1600, então se eu dividir minha necessidade [4800 Lúmens totais] pelos 1600Lm [que nossa lâmpada emite] eu vou saber quantas lâmpadas eu vou precisar: 4800 / 1600 = 3 lâmpadas.

Resumo da ópera: Nosso aquário tem 80L, precisamos de 4800 lúmens para ter pelo menos 60Lm/L, se nossa lâmpada emite 1600Lm eu vou precisar de 3 lâmpadas para atender a demanda da maioria das plantas aquáticas para crescerem saudáveis***, para plantas mais exigentes aumentaria uma lâmpada chegando a 4 x 1600 = 6400 / 80 = 80 Lm/L e assim por diante.

Então essa é a lei? 
Não, essa é apenas uma opção.
Como eu falei no início desta postagem existem centenas de possibilidades em termos de iluminação, afinal para cada aquário de tamanho diferente tudo muda, e essa é apenas uma forma simplificada de fazer as coisas. Também lembre que o barato pode sair caro, compre lâmpadas de qualidade, não estou dizendo que você precisa de lâmpadas que custam uma fortuna, elas existem, são excelentes lâmpadas, mas tem o inconveniente de custarem uma quantidade desproporcional de nosso rico dinheirinho, a decisão é sua, mas fique ciente de que você tem e pode usar as opções mais baratas, como as lâmpadas do exemplo acima, e tem a garantia de que usadas corretamente elas funcionarão perfeitamente. A opção é sua. Sejam tubulares T8, T5 ou até as PLs econômicas, em muitas situações elas são o necessário para que seu aquário prospere.

Leia, aprofunde-se e experimente, só com a experiência e o tempo é que dominamos qualquer técnica, mas para isso é fundamental conhecer o básico, por isso leia, leia bastante sobre o assunto, aos poucos tudo ficará mais claro. Existem mais uma série de parâmetros que de acordo com o seu projeto poderão influenciar sua escolha.

¹ Nao é o Roger Waters, estou falando de Sir Isaac Newton!
* Vamos matar essa ideia, ela já foi útil e hoje mais atrapalha que ajuda;
** Estética é igual a cabeça, cada um tem a sua, se você prefere luz amarela, rosa, azul, roxa... Eu prefiro luz natural.
*** O crescimento ideal depende de outros parâmetros como fertilização, CO2 e manutenção regular do aquário;
**** Gostei desse nome! Use por conta e risco.

agosto 03, 2011

Aqua Journal Digital #1


Caros amigos, o momento há muito esperado aguardado finalmente chegou!

A ADA acabou de liberar as assinaturas da sua versão digital da Aqua Journal em língua inglesa, o processo de assinatura (exige cartão de crédito internacional) é simples e rápido, a plataforma escolhida pela ADA para distribuição do seu periódico digital foi através do site Coverleaf, onde é possível assinar centenas de outras publicações em formato digital. Todo o processo é feito em páginas seguras (criptografadas). 

Nesta primeira edição:

  • Special feature: Nature Aquarium Therapy
  • Travels in Tasmania
  • Vida Cafe
  • Nature Aquarium Notes
  • Nature Aquarium Q&A
São 50 páginas nesta edição. A assinatura anul (12 edições) custa $ 36 e os números individuais podem ser adquiridos por $ 5 cada um. 


agosto 02, 2011

Iwagumi para iniciantes por Oliver Knott


Oliver Knott produziu e disponibilizou um vídeo com mostrando técnicas de Iwagumi para quem está começando a praticar agora. Veja o vídeo em tela cheia.


Neste outro vídeo você também confere o processo passo a passo.


A ADA tem uma seção só sobre Iwagumi em seu site oficial Aqua Journal Online, vale a pena tentar compreender os princípios e técnicas citados nos artigos, aqui no blog você também confere outros artigos relacionados a técnica:

Link de última hora: Lembrei deste artigo de 2007 postado no blog Aquatic Eden que fala sobre princípios básicos da técnica e do seu histórico, vale a pena a leitura: Iwagumi and Sanzon Iwagumi Aquariums.

E tem mais postagens, use a ferramenta de pesquisa do blog e divirta-se.


Só não aprende quem não quiser! :)

agosto 01, 2011

IAPLC, Concursos e suas polêmicas


Todo concurso por mais isento que seja sempre, mas é sempre mesmo, sem exceção, alguém vai reclamar, achar um defeito ou duvidar da seriedade da organização, posso falar com propriedade sobre isso. :D Claro que com o International Aquatic Plants Layout Contest, mais conhecido como IAPLC, não seria diferente. 

O "caso" deste ano é bem emblemático. Um usuário da Ucrânia postou no fórum Aquascaping World, mais precisamente no tópico onde os usuários estão divulgando seus trabalhos e classificações, a foto do seu aquário que foi classificado em 110º. Uau, nada mal, não é? Estaria tudo ótimo "se" o aquário em questão não fosse uma cópia fiel de um layout da própria ADA, por falta de conhecimento já sabemos que não foi o motivo dele não ter alcançado uma classificação mais alta com uma aquário original, afinal não é qualquer pessoa que tem essa capacidade de reprodução, mas este não é foco aqui.

Nada mau.

O legítimo, que não solta as tiras.

A discussão começou por lá e migrou para o twitter onde começaram a questionar o fato de um trabalho "do próprio Amano" (oi?) ter ficado em 110º, o absurdo prosseguiu com comentários do tipo: "Acho que o próprio Amano não ficaria entre os Top 20 do concurso". Além do questionamento em termos de originalidade e criatividade, sinceramente é preciso realmente nunca ter julgado qualquer coisa na vida para não saber que é impossível um juiz conhecer cada aquário que participou das ultimas 10 edições do IAPLC, alguém faz as contas de quantos aquários são? 

É aqui que eu pego o gancho da conversa, afinal, alguém realmente acha que todos os trabalhos do Amano são imaginados, elaborados e desenvolvidos pensando em participar de um concurso. Não, tenho certeza disso. Gostaria de chamar atenção aos meus caros amigos aquascapers que nosso hobby não é um concurso de misses, e não precisamos estar neste frenesi insano de tornar cada novo layout algo digno de registro para história da humanidade. Ok, estou exagerando, eu sei... Mas convenhamos, as vezes acho que estão querendo transformar o aquascaping numa competição emotiva demais em que cada aquário se não for para ficar entre os X mais do concurso Y não é digno de nota. Convenhamos, não é bem assim que as coisas funcionam, não é necessariamente um primeiro lugar ou um Grand Prize que será aquele aquário lembrado, muitas vezes os meus preferidos não estão nem no top 20. Infelizmente concurso, seja de sabonetes decorados ou aquários plantados, meche com um item muito volátil e não estamos falando de suplementos, mas de egos, muitas vezes inflados em demasia. Não vamos chegar a este ponto, certo povo?

Curtam seus aquários.








Related Posts with Thumbnails